sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Sem título

Como cada onda do mar, o amor tem que ser
Recuar, para vir mais forte
Em cada passada, as ondas molham
O que elas próprias deixaram secar
O barulho é constante a cada despedida
A certeza que vai voltar
Até que a maré ta baixa
Não consigo te ver
Não consigo te tocar
Mas sei que estás La
Longe
Muito longe
Mas que um dia vais voltar.

domingo, 22 de novembro de 2009

sem título

Você pediu, você rezou,
Foi atendido por um anjo do senhor
As suas asas ele consertou
Pra te ver voando meu amor,
Voando ao lado dele céu,
Tão alto quando coração no papel

Seu novo sorriso, é algo que ele não vai esquecer
A cada dia, pela eternidade que terá que viver,
Agora sem você, que com asas novas vai voar,
Mas um dia hei de te encontrar,
Num sonho bonito te tocar
De um jeito que possa me aquecer

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

O Sábio

Dizem que há muito tempo, quando os gregos emergiam como civilização, existia um sábio, um velho senhor, que ao longo da vida havia acumulado muita experiência e conhecimentos, ao contrário de Aristóteles, Platão e outros filósofos gregos, o sábio desta história, não divulgava o seu conhecimento, pois morria de medo, que outras pessoas se tornassem tão sábias quanto ele.

Até que um dia este sábio ficou cego, como não confiava nas pessoas resolveu andar sozinho, não queria a ajuda de ninguém. O resultado foi que no primeiro dia, ele teve uma queda, e machucou a perna, impossibilitando as caminhadas. Algumas pessoas bondosas se ofereceram para levá-lo para algum lugar, onde pudesse ser tratado e certamente ficaria curado.

Alguns dias se passaram, e o sábio, com a perna quebrada, e olhos sem visão, continuava no mesmo lugar, não confiava no tratamento de outras pessoas, nem no alimento que elas lhe ofereciam, nem em nada, continuava no mesmo lugar, comendo a grama que encontrava pelo tato, e bebendo água das chuvas.

Com o passar de três dias, o sábio caiu doente, se estômago estava lhe matando, sentia dores horríveis, e nas proximidades não encontrava mais alimento, nem água, agravando ainda mais o seu estado.

Na manha seguinte, seu corpo foi encontrado inerte, um dos maiores sábios do mundo, fora encontrado, sujo e maltratado. Seu nome não consta nos livros de história, mas ele nos ensina que a sabedoria sem humildade não andam separadas.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

O mestre e a montanha...

-Mestre, não sei que rumo tomar na minha vida - disse o discípulo ao seu mestre.
O mestre passou a mão pela longa barba, respirou fundo e disse, apontando para ma montanha coberta de neve ao horizonte- Jovem, está vendo aquela montanha?
-Sim – respondeu o discípulo.
-Vá até lá no alto e, lá estará a resposta para a sua pergunta- disse o bondoso mestre.
O discípulo caminhou em direção à montanha depois de feitos alguns preparativos, aos poucos foi se afastando ao horizonte, ate que desapareceu por completo.
Muitos dias se passaram, até que o jovem retornou, parecia cansado, foi diretamente ao seu mestre.
O bondoso mestre o observou, estava muito sujo, e parecia um pouco abatido e perguntou – Como foi a sua busca¿ Encontrou o que procurava?
O jovem parecia meio decepcionado, e disse – Não havia nada lá!
- Como não havia nada lá? Você passou dias caminhado, tentando chegar a um lugar, desviando de certos obstáculos, chegou à montanha, enfrentou o frio, mas continuou. Enfrentou a fome, mas continuou. Chegou lá no alto, procurou por algo que você não sabia o que era, nem como era. Como você esperava encontrar se não sabe o que você procura realmente? A vida é assim, não sabemos o que vamos encontrar, mas temos que seguir em frente, a caminhada é longa, vamos passar por momentos difíceis, mas temos que continuar, o topo da montanha não era o fim, mas apenas parte da jornada. Você está no topo da montanha agora, pode enxergar em todas as direções, mas é preciso descer a montanha, para ver de perto o que há em uma ou em outra direção, a vida é assim...

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

sem titulo

Difícil tomar certas decisões, esperar, concordar e nao chorar...

penso em todas as voltas de carro, de mãos dadas,
nas viagens, de carro ou de navio,
das festas,
das conversas sobre espiritismo, que nunca tem fim,
dos filmes que vimos juntos, e de muitos que queria ver...
de poder te chamar de BÊ,
pelo Jack e o woodstock, que tem um significado carinhoso pra mim
de fazer um carneirinho
das posições da yoga, muita puraca nessa hora...
de dormir juntos
dos beijos
beijos timidos
beijos corajosos
de abraços apertados
e de leves toques num corpo suado
de sentir o teu cheiro e o gosto dessa boca
de ter momentos sozinhos em casa... que aproveitamos tao bem
de conhecer as pessoas que são especiais pra ti e te apresentar as que são pra mim
de pensar na casa ideal, filhos, enfim

de sentir saudade e de matar essa vontade com um beijo com um toque que me faz tao bem,
de te dizer que te amo, sem hora, sem controle, todas as vezes que posso,
será demais falar isso?
Prefiro pecar pelo escesso de te amar demais, porque é assim que te amo,te amo com o meu corpo, te amo com a minha alma, mesmo que esse pássaro que é o meu amor seja proibido de voar, ele continua a ter asas, e sonha sempre em um dia poder bate-las...

terça-feira, 18 de agosto de 2009

O filósofo

O filósofo estava sentando em uma pedra, contemplando o céu, a procura de nuvens, quando o seu discípulo se aproximou. Olhando para o filósofo ele perguntou:

- Mestre qual foi a coisa mais importante que o senhor aprendeu?

O filósofo olhou o discípulo com interesse e mudando um pouco de posição respondeu:

- Aprendi a controlar minhas emoções, decifrei muitos mistérios do universo, entendi o sentido dos sentimentos e hoje não sofro mais...

Com a curiosidade aguçada, o discípulo perguntou:

- E o que o senhor pretende fazer com tudo o que aprendeu?

- Pretendo usar tudo isso um dia para ser feliz,quando for a hora saberei!

- E se não precisar? Do que terá valido todo esse esforço?

- Poderei agora entender os meus sentimentos, não sofrerei mais, não amarei, não julgarei, quando morrer sei para onde vou, e sei onde estou no universo. Por isso serei feliz.

-Não sei nada disso, não conheço os segredos do universo, mas eles estão em mim, não sei onde estou, mas sei que estou, amo, amo muito, mesmo que erre vou amar, sofro, sofro muito, mas só sofro porque tenho momentos bons, se vivesse só da dor, seria indiferente a ela, e sou feliz...

Dizendo isso o discípulo se afastou e nunca mais voltou a seu mestre...

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Sem título

A morte sentou em uma pedra, olhou um relógio de bolso, estava quase na hora, então ela resolveu se apressar, chegou sem aviso, mas a hora era marcada, mas esqueceram de avisar a outra parte
Tarde demais, ela arrancou a vida, sem dó nem piedade, e aos prantos ele chorava, deixava uma pessoa que amava, não havia dito ainda havia coisas que queria dizer, coisas que queria fazer, pessoas para abraçar e uma pessoa para amar, mas era tarde, deitado naquela cama, estava o seu corpo inerte e ao lado ele chorava, chorava como uma criança, estava arrependido, sentia dor, mesmo estando sem o seu corpo, sentia uma dor funda, que levaria consigo para a eternidade, fechou os olhos, sua cabeça girou então ele sentiu um choque no peito, abriu os olhos, estava deitado na cama, com um monte de médicos ao redor, estava fraco demais para pensar, mas sabia, havia tido uma outra chance, teria mais tempo para fazer, dizer e amar, e ele não perderia um segundo sequer...